As irmãs Brontë

Clique em cima dos titulos dos livros para vê-los na Base Minerva.

Na cidade de Hartshead, Yorkshire, norte da Inglaterra, surgiram três irmãs, nenhuma delas destinada a viver muito tempo, mas que marcaram a Literatura Inglesa.

Elas escreveram poemas e grandes romances, na época Vitoriana. São elas Charlotte, Emily e Anne Brontë, conhecidas como as Irmãs Bronte.

A mais velha Charlotte escreveu romances que contavam experiências próprias como sua obra-prima: “Jane Eyre”, que se baseia numa experiência sua como professora em Bruxelas na Bélgica. Ela faleceu antes de completar quarenta anos.

A irmã mais jovem Anne, escreveu romances com temas simples, como “Agnes Grey” que conta a história de uma jovem obrigada a sacrificar os melhores anos de sua vida trabalhando como preceptora. Ela morreu antes mesmo de completar trinta anos.

Emily Bronte é se podemos dizer a mais talentosa das Irmãs Bronte. Com seu único romance “O Morro dos Ventos Uivantes” garantiu-lhe lugar de honra na Literatura Universal.

Emily Bronte foi a quinta de seis crianças do casal Bronte. Seu pai Patrick Bronte era um pastor muito severo que se mudou da Irlanda para Weatherfield, em Essexe, para ser professor, depois então mudou-se para a Inglaterra onde conheceu Maria Branwell sua futura esposa.

Patrick Bronte adorava poesia e chegou a publicar alguns livros em prosa e em versos e também escreveu para jornais locais.

Os pântanos solitários que cercavam a casa das irmãs Bronte se tornaram grandes forças que influenciaram suas vidas e obras. Elas viviam numa casa pequena, onde e a porta da frente dava para o cemitério da igreja, e tinham pouca diversão.

Emily Bronte nasceu no dia trinta de julho de 1818 e faleceu tuberculosa no dia 19 de dezembro de 1848.

No ano de 1820, a família Bronte se mudou para Haworth onde seu pai foi curador e nesses arredores seu talento literário floresceu. Com o falecimento da mãe, as três irmãs e o irmão Branwell começaram a inventar terras imaginárias com os nomes de Angria, Gondal e Gaaldina, onde se passavam as histórias que escreviam, talvez até mesmo influenciadas pelas Viagens de Gulliver de Jonathan Swift.

Poucos trabalhos de Emily desse período sobreviveram, exceto alguns poemas.
No ano de 1847, ela publicou a sua única obra em prosa “O Morro dos ventos Uivantes” com o pseudônimo de Ellis Bell já que todas as irmãs usavam nomes masculinos com medo de críticas.

Emily teve uma vida muito pacata, com poucos amigos e viveu longe da grande sociedade inglesa da época Vitoriana, e muitos não imaginam como uma mulher tão frágil conseguiu forças para escrever uma obra apaixonada como “O Morro dos Ventos Uivantes”. Como diria sua irmã Charllote tempos após sua morte, essa era uma obra rude, pois foi talhada numa oficina rude. O encanto do livro é garantido pela extrema habilidade sensível da escritora que na sua breve vida nos deixou esse grande legado de paixão e obsessão.

Fonte: Devaneios literários

Deixar um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s