Nossos escritores V

O mar vomitou

por João Vitor Pestana Bentes Lopes

O vento corre belo, livre e solto
Carrega o mar pesado, mar revolto
As costas do mar
Então surgem da brava correnteza
As bocas escondidas da pobreza
Vão de par em par

Flutuam aos pedaços, como entulhos
Os restos das vontades, os embrulhos
Que o mar foi cuspir
Depois fazem descanso nas areias
As rodas, os espelhos das sereias
Que o chão vai comer

As rodas já não rodam como aquelas
Tinindo sob o Sol; como as panelas
Vão enferrujar
Mas rodas sob o Sol quando enferrujam
Se encolhem para que outras rodas surjam
De dentro do mar

E o estrangeiro passa, fecha os olhos
Na praia de detritos e de escolhos
Que o tempo ancorou
Depois vai ver na sombra da sarjeta
O espelho sem valor, sem etiqueta
Que o mar vomitou

Participe você também, veja como clicando aqui

Anúncios

Deixar um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s