Nossos escritores VII

Prefácio para o que vai vir

Por Marcus V. C. de Freitas

Desde sempre, e sempre sem motivo algum, escrevo.
Com o vento no calor ardente, e ardendo a alma, leio.
Semeio, com fortes e fracas sementes, coisas da minha mente
E da alma, que lavo com um grande amálgama.
Faço o possível para me renovar.

Desde sempre, e sempre será sem motivo algum, escrevo,
E se possível, creio escrever sempre o impossível.
Todo o possível é monótono demais para mundo.

Anúncios

Deixar um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s