Hoje é o aniversário de nascimento de William Faulkner

Sem diploma do secundário (ensino médio), o prêmio Nobel de Literatura em 1949, e prêmio Pullitzer em 1955 e 1963 (póstumo), William Falkner viveu em sua pequena cidade no Estado mais pobre dos Estados Unidos, o Mississipi. Só viajava para Hollywood para arranjar trabalho como roteirista. Indo e vindo, entre 1932 e 1955, trabalhou para os estúdios Metro, Fox e Warner.

Como escreveu o crítico brasileiro Sérgio Augusto: “Só aderiu ao cinema porque precisava de dinheiro. Tinha 35 anos e acabara de escrever ‘Luz em Agosto’. A venda de seus livros mal dava para pagar a conta da luz. Seus primeiros quatro livros não venderam mais de 2 mil exemplares cada. Seu primeiro (e único) best seller, ‘The Wild Palms’, é de 1939”. Por volta de 1958, a Fox tentou trazê-lo de volta. Na época, Faulkner, que já não estava mais tão necessitado de dinheiro, recusou o convite.

Após publicar “O Fauno de Mármore” (1924, poemas), Faulkner foi a Nova Orleans para conhecer o círculo literário em torno da revista literária “The Double Dealer”, que publicava Hart Crane, Ernest Hemingway, Robert Penn Warren e Edmund Wilson. Além dos contos para a revista, Faulkner fez seu primeiro romance “Paga de Soldado”.

Tímido, ele preferia a companhia de seus amigos caçadores e dos vizinhos de seu sítio a outros escritores e intelectuais. Seus primeiros livros traziam características da literatura do fim do século 19. “O Povoado”, o primeiro romance da “Trilogia Snopes”, é um retrato irônico das grandes depressões que antecederam a Guerra Civil norte-americana. Em “Os Invictos”, publicado no ano de sua morte, o escritor constrói um conflito de éticas e mentalidades entre o velho Sul e a nova realidade americana após a Guerra Civil.

Faulkner entrou numa nova fase, quando encontrou seu estilo nas obras “O Som e a Fúria”, “Enquanto agonizo”, “Santuário”, “Luz de agosto”, “Dr. Martino e Outros Contos”, “Pilão”, “Absalão! Absalão!” e “Palmeiras Selvagens”. A violência destes livros está em primeiro plano e, às vezes, os personagens têm uma meia vitória aqui e ali.

Em “Enquanto agonizo”, Faulkner costura dezenas de monólogos de 15 pessoas para mostrar o perfil psicológico de uma família que conduz o corpo da matriarca ao cemitério. A partir de “O lugarejo”, o destino dos personagens de Faulkner não é mais tão trágico. Ao menos surge alguma esperança para a condição humana como uma promessa de liberação. Em “Desça Moisés”, sobre a luta do personagem Ike McCaslin contra a devastação da mata, Faulkner denuncia injustiças.

Além de viagens necessárias à sua carreira, Faulkner continuou enfurnado no Mississipi até se tornar escritor residente da Universidade de Virgínia. O contato com os estudantes está registrado no livro “Faulkner na Universidade”.

25/09/1897, New Albany (EUA)
06/07/1962, Byhalia, Mississipi

Fonte: Educação Uol

Deixar um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s