Pesquisa por livros no Portal de Periódicos Capes

Agora o portal capes está com uma nova modalidade de pesquisa. Além da pesquisa por assunto, periódico ou base de dados, também é possível fazer a busca por livros eletrônicos.

Lembrando que alunos ou professores podem solicitar instruções ou treinamentos maiores sobre o uso do Portal Capes, que é o maior portal de pesquisa científica do Brasil e assinado pela UFRJ. Basta enviar sua mensagem pelo contato deste blog, no email biblioteca@letras.ufrj.br, facebook ou twitter (@bibliotecaFL)

Projeto Gutenberg

O Project Gutenberg é a primeira e a maior colecção unitária de livros eletrônicos (ou ebooks) gratuitos. Michael Hart (faleceu no dia 06 de setembro de 2011), fundador do Project Gutenberg, inventou os livros eletrônicos em 1971 através da cópia do texto da Declaração de Independência dos Estados Unidos em uma máquina Xerox Sigma V, nos laboratórios da Universidade de Illinois. Continua ainda hoje a inspirar a criação de ebooks e tecnologias com estes relacionadas.

O Projeto Gutenberg é considerado o projeto de literatura online com mais tempo de duração.

De acordo com o CNET, em março deste ano o próprio Michael Hart enviou um e-mail afirmando que seu projeto havia digitalizado o livro de número 40 mil e que já tinha mais de 60 mil títulos para serem digitalizados.

O avanço tecnológico conseguiu captar e realizar o sonho de Hart que era tornar possível o acesso de milhares de pessoas aos arquivos do Projeto Gutenberg em qualquer computador ou, plataforma.

O acervo do Project Gutenberg também tem alguns itens não-textuais tais como arquivos de áudio, partituras musicais, como gráficos, vídeo e interatividade.

Estes são sobretudo obras da literatura da tradição cultural Ocidental. Para além de literatura tal como romances, poesia, contos e teatro, o Projecto Gutenberg também tem livros de culinária, obra de referência e partes de periódicos.

Há projetos afiliados que são organizações independentemente que partilham os mesmos ideais e foi-lhes dada permissão para utilizarem a marca registada Project Gutenberg. Têm normalmente um enfoque nacional ou linguístico especial.

  • Project Runeberg –  fundado em 1992, foi o primeiro projecto a solicitar ao PG o uso de um nome semelhante. Dedica-se à literatura nórdica ou sobre os países nórdicos.
  • Project Gutenberg Australia aloja muitos textos que estão no domínio público de acordo com o Direito Autoral Australiano, mas ainda protegigdos por direitos autorais (ou em estado incerto) nos Estados Unidos, com enfoque nos escritores Australianos e livros sobre a Austrália.
  • Project Gutenberg of the Philippines “pretende disponibilizar tantos livros quanto possível para tantas pessoas quanto possível, com enfoque especial nas Filipinas e nas línguas Filipinas.
  • Project Gutenberg Luxembourg publica sobretudo, mas não exclusivamente, livros que escritos em luxemburguês e alemão.
  • Project Gutenberg Consortia Center  é um afiliado que se especializa na colecção de acervos. Estas não têm a supervisão editorial ou a consistência de formatação do Projecto Gutenberg principal. Estão representadas colecções temáticas bem como inúmeras línguas.
  • Projekti Lönnrot – é um projeto iniciado por voluntários do Projecto Gutenberg Finlandês. Contém apenas livros em finlandês.

Apesar de ter sido dada autorização para utilizar o nome Gutenberg ao Projekt Gutenberg-DE há alguns anos, nem todos o consideram um projecto afiliado devido às suas diferenças filosóficas. O Projekt Gutenberg-DE invoca direitos autorais nos seus produtos e limita o acesso a versões dos seus textos navegáveis pela Internet

Bibliotastic: eBooks mais fáceis

O Bibliotastic pretende se transformar uma fonte gratuita de eBooks e fazer conhecer autores desconhecidos que têm algo a dizer.
Essa plataforma pode ser uma alternativa aos entraves comerciais que autores iniciantes enfrentam na publicação de livros.
O serviço dá acesso a uma série de publicações de vários gêneros, desde romances à ficção científica e histórica. Os livros podem ser lidos online ou baixados em formato PDF, ePub ou Kindle, mas só para quem estiver registado.
A plataforma serve também para auto-publicação de livros de forma gratuita. O site tem uma equipe que dá apoio na revisão e na formatação e até no design das capas.
Em inglês.

Jane Austen online

Os manuscritos de Jane Austen representam todas as fases de sua carreira em diferentes formas: rascunhos, cópias e outras publicações de circulação privada. Os manuscritos pertenciam a sua irmã Cassandra até 1845, ano de sua morte. Depois disso, os documentos foram dispersados entre membros da família e na década de 20 foram para instituições públicas e privadas.

Por serem documentos frágeis o acesso aberto era difícil por motivos de conservação e localização.

É possível encontrar na coleção, por exemplo, os manuscritos de Persuasão, Lady Susan e The Watsons.

Podem ser encontrados aqui:

http://www.janeausten.ac.uk/manuscripts/index.html

Literatura de cordel

O projeto Literatura Popular em versos da Casa de Rui Barbosa conta com um acervo-  o maior da América Latina – com 9.000 folhetos de cordel  formado a partir da década de 1960 disponível para consulta online por meio de suas referências catalográficas, que podem ser consultadas por índices, como o deautor, título, assunto, local de publicação, editora/tipografia, data, gênero literatura de cordel, na basede dados da Biblioteca.

Desse conjunto, cerca de 2.340 folhetos dos autoresrelacionados em poetas e cantadores estão disponíveis em versão digital,com suas versões originais e variantes.

Segundo o projeto o cordel é valorizado como expressão poética de alta significação por escritores do porte de Ariano Suassuna, Carlos Drummond de Andrade, Jorge Amado, Guimarães Rosa, Mario de Andrade, João Cabral de Melo Neto, motivando (e continua a motivar) estudos e pesquisas nas áreas de Antropologia, Folclore, Lingüística, Literatura, História, entre outras.

Acesse: http://www.casaruibarbosa.gov.br/cordel/acervo.html

Biblioteca Européia

A Biblioteca Digital Europeana permite a exploração de recursos digitais de museus, bibliotecas, arquivos e colecções audiovisuais da Europa. Promove o patrimônio cultural e científico da Europa com mais de 15 milhões de itens incluídos:
* Imagens – pinturas, desenhos, mapas, fotografias e imagens de objetos de museu
* Os textos – livros, jornais, cartas, diários e documentos de arquivo
* Sons – música e palavra falada de cilindros, fitas, discos e transmissões de rádio
* Videos – filmes, noticiários e programas de TV

Alguns itens e tópicos são mundialmente famosos, como o livro de Isaac Newton sobre as leis do movimento, os desenhos de Leonardo da Vinci, pintura de Johannes Vermeer da menina com um brinco da pérola ou objetos sobre o Muro de Berlim. Outros são tesouros escondidos, esperando por você para descobri-los.

Dentre as recentes aquisições estão um pergaminho manuscrito búlgaro de 1221, o primeiro livro da Lituânia, publicado em 1547, as obras completas dos autores alemães Goethe e Schiller, e uma série de fotografias do mosteiro de Glendalough na Irlanda, anteriores à Primeira Guerra Mundial

Cerca de 1500 instituições têm contribuído para a Europeana. Nomes de renome como a British Library em Londres, o Rijksmuseum de Amsterdam, o Louvre em Paris entre muitas outras instituições.

Agora a Biblioteca Digital Europeana criou um blog para comunicação com o público que pode ficar a par das novidades, do andamento do trabalho e dos eventos.

Brasiliana Eletrônica

Idealizada por Octales Marcondes Ferreira, presidente da Companhia Editora Nacional, como a “quinta série” de uma coleção mais ampla, intitulada Biblioteca Pedagógica Brasileira, a Brasiliana compõe-se de 387 volumes, acrescidos de 26 da série Grande Formato e de dois da Série Especial. A Coleção foi lançada logo após a Revolução de 1930 e a criação do Ministério da Educação, tendo a dirigi-la, por 25 anos, o grande educador Fernando de Azevedo, depois substituído pelo historiador Américo Jacobina Lacombe. Ela foi editada no período de 1931 a 1993.

Sua abrangência se estende pelas principais áreas do saber, da História à Antropologia, da Ciência Política à Geografia, da Sociologia à Lingüística, da Economia às Ciências Naturais, reunindo autores nacionais e estrangeiros que se debruçaram sobre o Brasil, inclusive a importante contribuição dos viajantes europeus que percorreram o país no século XIX.

O exemplo da Companhia Editora Nacional foi seguido por inúmeras outras iniciativas do gênero, como as coleções Documentos Brasileiros, da Editora José Olympio; Azul, da Editora Schmidt; Reconquista do Brasil, da Editora Itatiaia; Memória Brasileira, da Melhoramentos; Corpo e Alma do Brasil, da Difel; Dimensões do Brasil, da Vozes; Retratos do Brasil, da Civilização Brasileira e, mais recentemente, da Companhia das Letras.

A apresentação na Internet da íntegra de uma biblioteca como a Coleção Brasiliana constitui um desafio que só uma instituição como a Universidade Federal do Rio de Janeiro poderia vencer. Ao assumir este projeto a UFRJ permite disseminar entre a população um precioso acervo de conhecimentos sobre o Brasil e uma das mais fecundas reflexões sobre a nossa terra e a nossa gente.

Este projeto apresenta um trabalho editorial, com informações sobre os autores e a obra reproduzida; oferecer ao pesquisador o fac-símile do livro e ao, mesmo tempo, levar ao estudante o mesmo texto nos padrões atuais de ortografia. 85 obras já estão disponíveis no sítio http://www.brasilianas.com.br